Musicando na Quarta Colônia

mmmmm.png
m.png
mm.png
0222.png

            Em 2012 crianças e adolescentes de 6 aos 16 anos de idade receberam aulas de música e de dança no Projeto Musicando na Quarta Colônia. Foram realizadas até o momento 2 edições.

            Proposto e executada pela Fundação Ângelo Bozzetto, em parceria com a Associação Instituto Alex Procknow, o projeto foi viabilizado pelo Fundo de Apoio à Cultura (FAC) do Estado do Rio Grande do Sul. Em sua primeira edição, beneficiou 168 estudantes de escolas públicas de Restinga Seca e da localidade de São Miguel, onde se encontra uma comunidade Quilombola e na sua segunda edição  beneficiou mais 190 crianças/ jovens sendo 76 na área da Dança e 114 na área da Música, também em Restinga Seca, totalizando assim 1.176 ações pedagógicas em 17 meses de atuação nas duas edições.

            O Instituto foi fundado por pais, amigos e alunos do professor Alex Procknow , falecido aos 22 anos, para difundir a arte através da música. Recebeu apoio do Ministério Público de Restinga Seca através do pagamento de aluguel de um imóvel, no centro da cidade, onde ficava a sede da associação e aconteciam as aulas do projeto. Na comunidade Quilombola as aulas aconteciam em uma sala cedida pelos familiares de Alex Procknow.

            Os instrumentos musicais adquiridos como violões, teclados, pandeiros, flautas doce, repique de mão, rebolo e timba para integrarem as aulas além de outros materiais como microfones sem fio e caixa amplifica foram financiados pela Fundação Ângelo Bozzetto proponente do FAC onde venceram o edital do Ministério da Cultura. A Fundação Ângelo Bozzetto ainda presenteou os estudantes com a doação de camisetas produzidas para o projeto.

No ano de 2015, 2016 e 2017 o projeto retornou nas modalidades de música e dança no período de julho a novembro, totalmente custeado pela Fundação Ângelo Bozzetto, com aproximadamente 30 alunos.

            No ano de 2018 e 2019, o projeto teve continuidade com as modalidades de música e dança as aulas de percussão foram custeadas pela Fundação no período de março a dezembro. As aulas de dança afro tem o apoio do IAP (Instituto Alex Procknow).